Desempenho motor no esporte: como melhorar resultados?

17 de julho de 2017 ● POR pedro.cunacia@nortemkt.com

O esporte de alto nível, principalmente o apresentado por ocasião dos Jogos Olímpicos, é um constante desafio à nossa capacidade de prever os limites da capacidade motora humana. O cenário nos apresenta atletas cada vez mais altos, mais fortes, mais ágeis, mais habilidosos, fisicamente moldados para o esporte nos quais competem. Os avanços científicos e tecnológicos que vão desde a genética, a arquitetura, a indústria de vestimentas e materiais esportivos, até os sofisticados equipamentos para treinamento e avaliação nas diferentes modalidades esportivas respondem por grande parte destes resultados inacreditáveis. Mas, não devemos esquecer os valores pessoais e sociais que levam o atleta a se dedicar totalmente ao esporte na busca de medalhas assim como a busca, por parte do técnico de esportes coletivos, de estratégias nos sistemas de ataque e defesa de sua equipe que a conduzam à vitória.

De modo geral, mudanças no comportamento motor são decorrentes de avanços científicos provenientes de estudos sobre a estrutura e adaptação do ser humano às demandas do esporte praticado, de estudos sobre os limites temporais e espaciais que caracterizam os fundamentos deste esporte e de uma prática intensa nesse mesmo esporte. Este estudo focaliza o impacto das restrições do organismo, da tarefa e do ambiente (NEWELL, 1986) no comportamento motor desde os iniciantes até os mais experientes, em particular nos esportes com bola. Em específico, focaliza as restrições temporais na organização dos sistemas de jogo e que são trabalhadas no treinamento das equipes de alto nível.

Partindo de uma breve revisão dos avanços teóricos na área do comportamento motor nas últimas décadas, focalizaremos, em específico, a aquisição de padrões motores que envolvem o manuseio da bola, elemento central de alguns esportes como o voleibol e o tênis de campo e de mesa.

Resumo

O conjunto de restrições, presente na execução de habilidades motoras, é fator determinante do sucesso em várias modalidades esportivas que demandam do atleta adaptação contínua a alterações no contexto do jogo. Tendo como ponto de partida o modelo de Newell (1986) sobre as restrições do organismo (ou executante), do ambiente e da tarefa na aquisição de habilidades motoras, este estudo focaliza mudanças que ocorrem no comportamento motor do iniciante ao atleta de alto nível. Em específico, focaliza mudanças que ocorrem em esportes em que a bola é o centro do jogo, elo de ligação entre atletas de uma mesma equipe e entre atletas oponentes, como no voleibol. A bola, em sua trajetória, carrega uma série de restrições ao comportamento dos jogadores. Ser capaz de impor restrições no comportamento do adversário através da bola é tão importante quanto saber lidar com a imprevisibilidade da trajetória da bola imposta pelo adversário.

Para ler o artigo, na íntegra, clique aqui: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/motriz/article/view/3096/2761

Autora:  Ana Maria Pellegrini

Publicação:  Motriz, Rio Claro, v.15 n.4 p.1009-1013, out./dez. 2009