Parkinson: educação física ajuda a explicar alguns estágios da doença

07 de outubro de 2016 ● POR pedro.cunacia@nortemkt.com

O objetivo do presente estudo foi comparar os níveis de inibição pré-sináptica (IPS) e inibição recíproca (IR) entre indivíduos com Doença de Parkinson e saudáveis e, a correlação entre essas inibições e a rigidez muscular e a severidade clínica de indivíduos com Doença de Parkinson (avaliadas através da Escala Unificada de Avaliação da Doença de Parkinson).
Foram avaliados 11 indivíduos nos estágios 2 e 3 da doença e 13 indivíduos saudáveis pareados pela idade. A IPS foi menor em indivíduos com Doença de Parkinson (31,6%) do que em saudáveis (67,1%) (p = 0,02). A IR não diferiu entre indivíduos com Doença de Parkinson (26,9%) e saudáveis (27,6%) (p = 0,91). Adicionalmente, não foram detectadas correlações entre os níveis de IPS com a rigidez e a severidade clínica (p > 0,05).
Portanto, mecanismos inibitórios não explicam totalmente a rigidez muscular e a severidade clínica da doença. Alterações entre ativação de músculos agonistas e antagonistas parecem estar relacionadas a influências supraespinhais anormais nos mecanismos espinhais decorrentes da doença.
Para ler o artigo na íntegra, clique aqui.
Artigo científico publicado na Revista Brasileira de Educação Física e Esporte da USP
Rev. bras. educ. fís. esporte vol.27 no.2 São Paulo abr./jun. 2013