Kung fu – Equilíbrio em todos os sentidos

16 de janeiro de 2014 ● POR

O Kung fu ou Wushu (termo chinês), arte milenar constituída à partir de movimentos de animais, foi criado com o intuito medicinal, mas logo sua potencialidade enquanto pratica de auto defesa o tornaria uma eficaz arma nos punhos dos chineses.

Quando os monges do templo Shaolin, por volta do ano 500 d.c. desenvolveram uma técnica inovadora de kung fu, eles se tornaram praticamente invencíveis. Passaram  a ser responsáveis pela defesa nacional lutando pelo exército imperial e foram responsáveis em parte pela integridade do país.

Esse eficaz e revolucionário método de combate e auto defesa é praticado até os dias de hoje e tem astros  de cinema e televisão como grande disseminadores deste esporte, filosofia e arte.

Não existem pré requisitos para a pratica do kung fu (wushu), podendo ser desenvolvida por pessoas de todas as idades, que logo percebem suas habilidades motoras e capacidades físicas graduais e vigorosamente potencializadas.

Na criança além das habilidades motoras o kung fu (wushu) possibilita o desenvolvimento de valores como a disciplina, respeito, confiança e trabalho em equipe, valores que se estendem do esporte para a escola e para a vida. Além disso proporciona a oportunidade da criança se sentir aceita pelo grupo e transformar os movimentos dos exercícios em nada mais que uma grande brincadeira com os amigos.

Na adolescência, a prática do kung fu (wushu) pode pode auxiliar na formação de vínculos fortes de amizade. O simples fato de encontrar os amigos durante as aulas e treinos pode ajudar a passar por uma fase complicada de mudanças corporais.

No aspecto recreativo, o treinamento entre amigos não somente não somente gasto energético e benefícios físicos, mas também a comunhão  entre aventura e cooperação.

Sob o aspecto competitivo, o kung fu (wushu) ensina a enfrentar obstáculos, superar limites e a conviver de uma forma mais tranquila com as vitórias e derrotas do dia a dia.

Na idade adulta o kung fu (wushu) pode auxiliar a enfrentar os encargos da vida moderna, fazendo com o indivíduo encontre um tempo na agenda apertada, não somente pensando na prática esportiva mas também na oportunidade de se relacionar pessoas de uma forma mais tranquila e relaxada o que na maioria das vezes não acontece no ambiente de trabalho. A vida é uma luta e tudo está relacionado à defesa pessoal.

No trabalho não é diferente; é preciso estudar o adversário, checar todos os pontos abertos e montar uma estratégia de ataque.

As atividades físicas sejam em grupo ou realizadas individualmente são canais importantes de convivência.Aquele que se propõe a praticar o kung fu (wushu), precisar lembrar que como qualquer outra atividade, o kung fu (wushu) deve ter disciplina, saber reconhecer suas barreiras para aos poucos superá-las, aceitar os desafios e perseguir as vitórias, quer seja em campeonatos ou  mesmo na vida pessoal. O tempo será seu companheiro, a alegria sua amiga e a determinação sua irmã.

As lutas nos mostram que é na derrota que aprendemos as maiores lições; não existe uma pessoa bem sucedida que não tenha perdido alguma coisa ou nunca tenha se decepcionado. Ninguém é imbatível. Como diz o ditado “o importante não é vencer mas lutar sempre”, aprendendo sempre a persistir em seus objetivos.