Pais são essenciais para que filhos pratiquem atividade física

12 de abril de 2018 ● POR Redação

Diversos estudos vêm mostrando que são elevadas as taxas de sedentarismo nas populações (BARETTA, BARETTA & PERES, 2007; DIAS-DA-COSTA, HALLAL, WELLS, DALTOÉ, FCUCHS, MENEZES & OLINTO, 2005; HALLAL, VICTORA, WELLS & LIMA, 2003).

Ainda que a prática de atividade física no período de lazer em adultos pareça estar estabilizada e até aumentando, como em alguns países europeus (BRUCE & KATZMARZYK, 2002; STAMATAKIS, EKELUND & WAREHAM, 2007), a realidade observada é ainda preocupante. Em jovens, estudos têm mostrado diminuição na atividade física, principalmente em períodos tardios da adolescência (NELSON, NEUMARK-STZAINER, HANNAN, SIRARD & STORY, 2006). Especificamente para esta faixa etária o fenômeno do “tracking” parece ser importante, pois o comportamento ativo na adolescência tem se mostrado associado à manutenção da prática de atividades físicas na idade adulta (AZEVEDO, ARAÚJO, COZZENSA DA SILVA & HALLAL, 2007a).

Desta forma, uma atenção para a atividade física nesse período da vida deve ser enfatizada. Entre os fatores associados à prática de atividades físicas nos jovens destaca-se na literatura o suporte social, caracterizado na maioria das vezes pelo apoio dos pais, que tende a assumir papel importante no comportamento ativo.

Pais são essenciais para que filhos pratiquem qualquer atividade física, visto que essa participação acontece de inúmeras maneiras, tanto logística e financeiramente, quanto por meio do estímulo e do modelo passado dentro de casa (RAUDSEPP, 2006), onde as relações parentais e para com os filhos podem contribuir na consolidação do hábito de ser ou não ativo. Por outro lado, um recente estudo de revisão sobre o tema concluiu não haver consenso entre a associação da prática de atividade física dos pais com a prática dos filhos, embora a maior parte dos estudos identifique uma associação positiva entre tais comportamentos. (SEABRA, MENDONÇA, THOMIS, ANJOS & MAIA, 2008a).

Nesse sentido, o objetivo do estudo foi avaliar a associação entre a prática de atividade física no lazer dos pais e a participação dos filhos em esportes ou prática de exercícios orientados. Foram avaliadas ainda as associações entre as variáveis de atividade física e variáveis demográficas e socioeconômicas.

Resumo

O objetivo do estudo foi avaliar a associação entre a prática de atividade física no lazer dos pais e a participação de seus filhos em esportes ou prática de exercícios orientados. Foram avaliadas ainda as associações entre os indicadores de atividade física e variáveis demográficas e socioeconômicas. Foi realizado um estudo transversal, de base populacional, na cidade de Pelotas-RS. Um total de 972 indivíduos de 20 a 69 anos foi entrevistado.

A prevalência da prática suficiente de atividades físicas no lazer entre os adultos foi de 30,2% (IC95% 27,3; 33,1). Os homens foram significativamente mais ativos do que as mulheres (p < 0,001). Entre os entrevistados, 384 indivíduos relataram ter ao menos um filho com idade entre seis e 18 anos. A prática de esportes e atividades físicas orientadas entre crianças e adolescentes (N = 675) foi de 25,6% (IC95% 22,3; 28,9). Evidenciou-se associação direta e significativa entre o nível econômico e prática de atividades físicas dos pais e dos filhos.

Nas análises de associação entre a prática de atividades físicas organizadas dos filhos e o nível de atividades físicas dos pais, as diferenças encontradas não apresentaram significância estatística, embora para a análise geral o valor P encontrado tenha sido limítrofe (p = 0,053). Apesar de este estudo não encontrar uma clara associação entre a prática de atividades físicas de pais e filhos, o estímulo à prática de atividade física entre crianças, jovens e adultos deve ser ampliado, e mais estudos sobre o efeito das relações sociais na adoção de comportamentos saudáveis devem ser priorizados.

Para ler o estudo na íntegra, clique aqui: http://www.revistas.usp.br/rbefe/article/view/16700/18413

Autores: Inácio Crochemore Mohnsam da SILVA; Alan Goularte KNUTH; Tales Emílio Costa AMORIM; Marina Marques KREMER; Airton José ROMBALDI; Pedro Curi HALLAL; Mario Renato AZEVEDO.

Publicação: Rev. bras. Educ. Fís. Esp., São Paulo, v.22, n.4, p.257-63, out./dez. 2008