Exercício físico para pessoas com HIV/AIDS

09 de agosto de 2018 ● POR Darlan Farias

Atualmente o treinamento combinado tem ganhado espaço nas pesquisas e no gosto popular. Mas o que seria o treinamento combinado? Como o próprio nome já diz, realizar em uma sessão de treinamento, exercícios aeróbios (corrida, caminhada…) e exercício anaeróbios (sprints, saltos…). Há uma diversidade de combinações o que propicia a liberdade criativa do profissional de educação física em adequar ao perfil da prestação do seu serviço.

Neste sentido, um grupo de pesquisadores da UFMT criaram um protocolo neste perfil e obtiveram resultados consideráveis no perfil da célula CD4 em pessoas vivendo com HIV/AIDS. Célula CD4? Sim, células chamadas de linfócitos CD4 e sua principal função é defesa do organismo contra agentes desconhecidos, ou seja é uma célula do sistema imunológico que nos protege. Em pessoas vivendo com HIV é a mais afetada pelo vírus.

Neste protocolo de exercício combinado, os pesquisadores utilizaram uma sequência de 11 exercícios mais 30 minutos de corrida, durante 20 semanas. Da primeira à quarta semana foram realizados 1 série de 12 repetições na intensidade mínima, ou seja um período de familiarização e ajustes. Da semana 5 a semana 12 foram realizados 2 séries de 15 repetições a 40% da 1 RM (todos realizaram o teste de 1 RM). Finalmente da semana 13 a 20 realizaram 3 séries de 15 repetições a 60% da capacidade máxima. E o aeróbio? Semana 1-4 intensidade livre, semana 5-12 intensidade 60% do VO2 máximo, semana 13-20 75% do VO2 máximo. Maiores detalhes estão na tabela do artigo. Simples e de fácil acesso. Cabe ressaltar que os exercícios anaeróbios eram realizados em forma de circuito. Primeira série executada nos 11 exercícios e descanso de 3 minutos e assim por diante.

Este protocolo foi capaz de aumentar a contagem das células CD4 (dado essencial para reconhecimento na evolução da doença), massa magra em percentual e na medida real, número de repetições na flexão de tronco (abdominais), VO2 máximo, carga do agachamento e do leg press 45º e melhora do HDL (bom colesterol). O perfil lipídico nesta população podemos conversar em outro momento.

Para fecharmos com chave de ouro, cabe uma reflexão a nós profissionais… A atividade física é uma ferramenta essencial para a prevenção e tratamento de doenças, precisamos apenas valorizar e ter mais zelo com ela. Grande parte das pesquisas, em especial na fisiologia do exercício clínico, utilizam de protocolos simples e efetivos. Não precisa mudar a roda! Mas também não podemos seguir receitas de bolo não fundamentadas. Enfim, o exercício físico é remédio para diversas doenças.

Referências

GARCIA, Alesandro et al. Effects of combined exercise training on immunological, physical and biochemical parameters in individuals with HIV/AIDS. Journal of sports sciences, v. 32, n. 8, p. 785-792, 2014.

Darlan Farias – Graduado e Mestre em Educação Física CREF/DF 4837 – Especialista em Exercício Físico Clínico – Instagram: get_healthy_exercise – Facebook (grupo): Fisiologistas do exercício Clínico.