5, 10, 21 ou 42km: saiba como fazer o aquecimento ideal para a sua corrida

20 de abril de 2015 ● POR

Se o corredor sente que o começo da corrida está difícil e arrastado, talvez ele deva dedicar um pouco mais de tempo e atenção ao aquecimento.

Se o objetivo deste atleta é se dar bem nas competições, o sucesso do aquecimento depende da hora em que o atleta chega no local da prova. É importante chegar com antecedência para fazer todo o procedimento para a prova com calma. Ficar ansioso por causa da pressa para chegar gera um desgaste mental e físico, o que pode facilmente se transformar em segundos ou minutos a mais na sua prova.

Confira algumas sugestões para as principais distâncias das corridas de rua para quem busca performance nas provas:

5km – Uma boa estratégia é aquecer entre 10 e 20 minutos, começando de forma tranquila e progredindo o ritmo aos poucos. Os últimos dois ou três minutos podem ser bem próximos ao seu ritmo alvo de prova.

10km – Aqui o aquecimento pode ser um pouco menor, algo entre 10 e 15 minutos no mesmo esquema de corrida progressiva, terminando próximo ao seu ritmo de prova. Pode ser que um gel de carboidrato entre o aquecimento e a largada seja uma boa ideia, aumentando as suas chances de um final mais forte.

21km – Seu aquecimento não pode ser muito longo, algo entre 10 e 12 minutos, já que você não pode correr o risco de ficar sem energia no finalzinho da corrida. Comece com um trote leve e acabe em um ritmo moderado, um pouco mais lento que o seu ritmo de prova. O uso do gel antes da largada também é uma boa sugestão (e lembre-se que para essa distância, você provavelmente terá que usá-los durante a prova também).

42km – Um dos desafios da maratona é cruzar a linha de chegada antes de acabar as reservas de energia. Uma boa estratégia é fazer duas corridas leves de uns cinco minutos, com dois ou três minutos de intervalo caminhando ou fazendo algum alongamento leve (para os que se sentem bem com isso). Aqui, a estratégia do uso de gel de carboidrato, antes e durante a prova, se torna ainda mais relevante.

Matéria publicada pelo site Eu Atleta