Aterrissagem com o médio pé: veja os benefícios

15 de agosto de 2016 ● POR

Muitos corredores não sabem ao certo qual é a melhor forma de aterrissar o pé na hora das passadas. É melhor com o calcanhar ou com o médio pé (a parte do meio do pé)? O tema é foco de pesquisas e levanta algumas discussões, mas cada vez mais os treinadores defendem o pouso com a parte do meio do pé.

Para Eduardo Bigarelli, diretor-técnico da Bigah Runner, usar o médio pé é a melhor maneira de ter uma corrida confortável e reduzir o risco de lesões. “Estudos mais recentes indicam que aterrissar com o médio pé tem atenuado o pico de impacto, diminuindo, assim, os riscos de lesões”, diz o treinador.

Bigarelli ressalta, no entanto, que cada um tem sua maneira de correr, por isso as eventuais mudanças exigem adaptações graduais. “A aterrissagem pode causar problemas na vida de um corredor. É a hora do impacto, quando existe muito desgaste, podendo causar grande número de lesões no quadril e nos joelhos. Também pode causar desequilíbrio nas estruturas musculares, fazendo com que o movimento deixe de ser natural”, alerta Bigarelli.

Mais velocidade

Ao usar o médio pé, o impacto nas articulações e nos músculos é reduzido, transformando a sobrecarga em energia. Dessa forma, o corredor terá mais disposição durante a corrida.

Evitar lesões

Para Bigarelli, a aterrissagem com o calcanhar pode causar mais lesões. “A aterrissagem com o calcanhar leva muito mais impacto ao joelho, pois no momento da carga os joelhos estão estendidos. Além disso, acontece um maior impacto sobre articulações e isso freia o movimento natural, quanto o correto seria impulsionar o movimento”, explica.

Casos e casos

Embora defenda a aterrissagem com o médio pé, o treinador destaca que o movimento deve ser o mais natural possível para cada um. Não existe uma regra absoluta.

“A forma mais correta é a mais natural possível. Isso vem da vivência motora da pessoa. Já vi corredores fazendo maratonas sem sequer tocarem o calcanhar no solo. Eles já estavam muito bem adaptados a isso e não sentiam nenhum incômodo”.

Por isso, para o iniciante, é importante a consulta com um treinador para uma análise da melhor forma de aterrissagem. Cada corredor terá sua preferência.

Matéria publicada no site do Ativo.com