Esportes ajudam crianças com dificuldades de relacionamento

27 de outubro de 2012 ● POR Redação

Reunir crianças com interesses em comum facilita o diálogo e o entendimento entre os pequenos.

Os benefícios da prática esportiva na infância vão muito além de promover o bem-estar e a saúde física. Como terapia, o esporte se tornou um meio de auxiliar as crianças a superar problemas como timidez, hiperatividade, desobediência e até mesmo a solidão.

Além de estimular o maior contato entre meninos e meninas da mesma idade, o esporte reúne crianças com interesses em comum, o que facilita o diálogo e o entendimento entre elas. “Mesmo nos esportes individuais, as crianças se relacionam com outros esportistas da mesma faixa etária, seja nas competições ou nos próprios clubes. Isso é muito importante para superar a timidez”, afirma José Francisco Daniel, professor de Educação Física da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas).

Um esporte para cada personalidade
Levar em consideração as características de cada criança, e o que seu corpo pede na hora de escolher uma prática esportiva é o primeiro passo para que a atividade cumpra seu papel, educador ou social. “Crianças tímidas, em geral, refletem essa contenção em seus movimentos também. Elas são mais quietas e gostam de movimentos menores. Nesse sentido, balé, equitação e natação podem ser boas indicações”, explica Soraia Chung Saura, professora de Educação Física especializada em lazer da Universidade de São Paulo (USP).

Da mesma forma, pais de crianças indisciplinadas podem encontrar nas artes marciais grandes aliadas na educação dos filhos. “Lutas, em geral, exigem dos participantes um grande controle emocional e muita concentração. E essas lições são levadas para o seu dia a dia”, afirma Daniel.

Já as crianças hiperativas possuem uma necessidade constante de estar em movimento e gastar energia. É importante incentivá-las a praticar esportes nos quais estejam em constante contato com a natureza, como arvorismo e esportes radicais. “Este tipo de prática faz com que elas gastem muita energia e, ainda, oferecem um desafio, o que é muito importante para crianças inquietas”, informa Soraia.

Sobrecarga
O esporte possui um importante papel educador e social, no entanto, os pais devem estar atentos para a vontade dos filhos na hora de escolher uma atividade física, que não pode se somar às outras tarefas da semana a ponto de deixá-los sobrecarregados. Do contrário, pode haver perda de rendimento escolar, aumento do estresse e irritabilidade. “A criança, acima de todos, vai saber do que seu corpo precisa. Aos adultos resta apenas incentivar”, adverte Soraia.  

*Matéria retirada do site Terra