Crossfit infantil: atividade física divertida ou exagero dos pais?

27 de abril de 2016 ● POR

Há cerca de dois anos, o Crossfit caiu no gosto dos brasileiros e, desde o ano passado, a modalidade ganhou novos adeptos: as crianças. Mas, afinal, esse tipo de atividade física para os pequenos causa algum dano à saúde?

Para o ortopedista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Agnaldo de Oliveira Júnior, é essencial que a modalidade não exija demais da criança e seja encarada de uma forma lúdica e não como um esporte de força. Como as crianças estão em uma fase primordial de desenvolvimento e crescimento, não podem tolerar carga, impacto e esforços repetitivos.

“Não indico o Crossfit, a partir do momento em que força as articulações, principalmente para crianças menores de 13 anos, que ainda não possuem condições física, psíquica e técnica prontas para esse tipo de modalidade”, destaca. Além disso, é importante que o Crossfit infantil seja sempre supervisionado por um especialista.

O ideal para manter o corpo das crianças em atividade continua sendo as tradicionais brincadeiras e aulas de natação, futebol, tênis, entre outras. Para o ortopedista, é fundamental nessa fase desenvolver habilidades esportivas que melhorem a concentração e ajudem no crescimento.

O CrossFit é um treinamento funcional baseado em atividades físicas do Exército. Em sua versão para adultos, já recebeu elogios e críticas pelas séries de exercícios de alto impacto.

Matéria publicada no site Max Press Net.