Os benefícios da dança de salão nas aulas de Educação Física

02 de maio de 2018 ● POR Redação

A Educação Física é compreendida como a prática sistemática de atividades físicas, esportivas ou lúdicas no âmbito educacional, que estabelece relação dialética com diferentes campos de conhecimento, advindos de diferentes ciências como a biologia, a psicologia, a sociologia ou biomecânica (GONÇALVES, 1994). Na escola, a Educação Física se caracteriza como uma prática pedagógica que tematiza formas de atividades expressivas corporais como: jogo, esporte, dança, ginástica e lutas, que configuram uma área de conhecimento que pode-se chamar de cultura corporal (FREIRE, 2001; SOARES, TAFFAREL, VARJAL, CASTELLANI FILHO, ESCOBAR & BRACHT, 1992).

A dança como uma forma de expressão do movimento e cultura corporal é uma das manifestações mais importantes, encontrando-se entre as atividades propostas nos Parâmetros Curriculares Nacionais de Educação Física para a escola no Ensino Fundamental (BRASIL, 1997) e Ensino Médio (BRASIL, 2000). No Ensino Médio, a educação preza por possibilitar aos alunos a aquisição de valores e conhecimentos os quais são essenciais para que ao final desse período extenso de aprendizado, consigam integrar-se ao mundo contemporâneo e suas dimensões fundamentais de cidadania e trabalho (BRASIL, 2000).

No universo da dança encontra-se a dança de salão, cuja principal característica é ser praticada aos pares, em casais. Esta característica isoladamente já reforça o fato de que nesta modalidade o fator social é muito importante. A dança de salão possui objetivos claros de socialização e diversão entre casais, o que propicia o estreitamento de relações, romance e amizade (FREIRE, 2001; PERNA, 2005). Faz-se necessário enfatizar a importância da dança nas relações sociais na vida, observando o quanto elas influenciam na formação pessoal de cada indivíduo e concomitantemente na formação de suas características motivacionais, fontes de suas ações.

A motivação pode ter como fonte, razões internas (intrínsecas) ou externas (extrínsecas). Os motivos intrínsecos são resultantes da própria vontade do indivíduo, enquanto os extrínsecos dependem de fatores externos. Algumas vezes o que motiva um indivíduo a realizar uma ação é proveniente de uma fonte externa, como uma recompensa ou até mesmo obrigação. Outras vezes essa fonte pode ser resultado da estrutura psicológica do indivíduo e de suas necessidades pessoais de sucesso, sociabilidade e reconhecimento (CRATTY, 1984). A dança no mundo contemporâneo toma variadas formas e aplicações, surgidas da profundeza dos anseios humanos, tomando forma a partir de três motivações principais: expressão, espetáculo e ludicidade (STRAZZACAPPA, 2001).

Dentro deste contexto, dificilmente encontram-se pesquisas que envolvam especificamente a dança de salão vinculada a Educação Física escolar. Portanto, este estudo pretende ampliar os conhecimentos sobre esse tema, auxiliando no desenvolvimento de novas propostas pedagógicas, tendo como principal objetivo analisar os motivos da prática da dança de salão nas aulas de Educação Física escolar por alunos de escolas particulares, relacionando-os com o gênero, seu tempo de prática e participação em eventos de dança de salão.

Resumo

O estudo de corte transversal analisou os motivos da prática da dança de salão nas aulas de Educação Física escolar de escolas particulares, relacionando-os com o gênero, seu tempo de prática e participação em eventos de dança de salão. Obteve-se uma amostra de 279 alunos com idade de 15,5 ± 1,0 anos, matriculados nas aulas de dança de salão como Educação Física escolar. Aplicou-se o questionário de motivação para as atividades desportivas – QMAD, adaptado de SERPA e FRIAS (1990) e SERPA (1991). Analisou-se os dados através da estatística descritiva e inferencial, com nível de significância de 95%. Foram encontradas associações significativas entre os motivos e gêneros (r = 0,285; – 0,172); tempo de prática (r = 0,174) e frequência em eventos (r = 0,122; – 0,156). A dança de salão oferece em sua prática uma ferramenta de inúmeras possibilidades, onde cada um de seus praticantes procura preencher as suas próprias necessidades. De acordo com os resultados levantados percebe-se que os alunos estão motivados com a prática de dança de salão na escola havendo diferenças entre o gênero, o tempo de prática e a frequência nos eventos. Diante disto sugere-se a criação de propostas metodológicas condizentes com os principais motivos dos alunos nas aulas de dança de salão dentro do ambiente da Educação Física escolar.

Para acessar o estudo na íntegra, clique aqui: http://www.revistas.usp.br/rbefe/article/view/16792/18505

Autores: Rodrigo Massami SHIBUKAWA; Adriana Coutinho de Azevedo GUIMARA?ES; Ze?nite MACHADO; Amanda SOARES.
Publicação: Rev. bras. Educ. Fi?s. Esporte, Sa?o Paulo, v.25, n.1, p.19-26, jan./mar. 2011