Um novo rumo para o esporte paraolímpico brasileiro

10 de junho de 2016 ● POR

Nem a fria manhã, com termômetros marcando 8 graus, foi capaz de espantar os olhares curiosos em cima da monumental obra olímpica nas margens da Rodovia Imigrantes. Imponente, com um design ousado, sustentável e absolutamente acessível: esse é o mais novo e tecnológico Centro Paraolímpico Esportivo da América Latina, recém-inaugurado na cidade de São Paulo.

O Portal da Educação Física foi conferir, com exclusividade, esse novo espaço que promete revolucionar o esporte paraoalímpico brasileiro.

Em uma área da cidade preservada, às margens de um riacho no Ipiranga, com rara beleza natural e diversos requintes de Brasil, o Centro Esportivo Paraolímpico nasce com a missão de popularizar e estimular a prática de modalidades esportivas especiais em um contexto nacional.

Com custo aproximado de 300 milhões de reais, divididos entre Governo Federal e Governo Estadual, o espaço foi projetado para atender 15 modalidades: atletismo, basquete em cadeira de rodas, bocha, esgrima em cadeira de rodas, futebol de 5, futebol de 7, goalball, halterofilismo, judô, natação, rúgbi em cadeira de rodas, tênis de mesa, tênis em cadeira de rodas, triatlo e voleibol sentado. Além de tudo isso, o complexo ainda possui alojamentos para 280 pessoas, refeitório, lavanderia, academia, salas de apoio e vestiários, além do Centro de Medicina e Ciências do Esporte.

leiamais

icon VOCÊ CONHECE A HISTÓRIA DOS JOGOS OLÍMPICOS?
icon DICAS PARA MONTAR PROJETOS COM LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE

Com um design que chama a atenção pela ousadia e pelas cores, o complexo esportivo é, absolutamente, sustentável, com reaproveitamento das águas da chuva, jardins verticais, energia solar, dentre outras especificidades. A partir de agora, o Brasil se junta à Ucrânia e China, como os únicos países do mundo a possuir um centro de excelência em esportes focado apenas em atletas paraolímpicos. Com esses investimentos, o CPB (Comitê Paralímpico Brasileiro) e o Governo, esperam que o Brasil termine as Olimpíadas do Rio no top 5 do quadro de medalhas.

Agora nos resta esperar para ver o sucesso da nova instalação esportiva numa perspectiva futura. Para os profissionais de educação física que trabalham focados em pessoas que possuem algum tipo de necessidade especial, é a hora de ficar de olho para acompanhar essa transformação e contribuir, diretamente, para o desenvolvimento dessas pessoas e desse mercado esportivo.