Back Ciência Canais Avaliação Física Razão cintura-quadril, circunferência da cintura e IMC: o que usar para indicação de risco à saúde

Razão cintura-quadril, circunferência da cintura e IMC: o que usar para indicação de risco à saúde

Razão cintura-quadril, circunferência da cintura e IMC: o que usar para indicação de risco à saúde
A medida da sua cintura está dentro dos padrões aceitáveis? Isto depende...

Len Kravitz formou em Educação Física pela Universidade de San Jose, EUA, e obteve o grau de Doutor em Promoção da Saúde e Ciência do Exercício pela University of New México.Vem se dedicando a área de atividade física e escreve artigos, verdadeiras revisões, sobre vários aspectos da prática de exercícios.
Conheça um tempo escrito por ele e me diga se gostou. Em tempos academia, musculação, corridas de rua, saúde e bem estar, riscos de excessos de exercícios, de inatividade, de peso, de alimentos parece oportuno falar sobre algumas técnicas ou medidas com fita métrica. Que tal elas? São suficientemente boas,são ruins? Tem estudos? Afinal por que medir...
Introdução
A crescente epidemia mundial de obesidade, inclusive no Brasil, representa um risco maior para doença coronária, hipertensão, hipercolesterolemia, diabetes tipo 2, apnéia do sono e certos tipos de câncer, conforme alguns estudos.
No entanto, maiores riscos associados à obesidade causam maior preocupação, dependendo do padrão de distribuição de gordura no corpo (por exemplo, no tronco e abdômen versus quadris, coxas e nádegas). Gordura do torso e abdômen, referida como gordura visceral central ou intra-abdominal, está relacionada com anormalidades de saúde, incluindo resistência à insulina e dislipidemia, o risco crescente de diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares, respectivamente.
Nos dias de hoje ouvimos muito a respeito de cálculo de IMC (Índice de Massa Corpórea), circunferência da cintura e relação cintura-quadril para classificar obesidade e os riscos de acúmulo de gordura abdominal. Técnicas de fácil execução, as medidas são confiáveis?
Para os educadores físicos ou profissionais de exercício, a questão importante é: além da técnica de composição corporal (dobras cutâneas, impedância bioelétrica, pesagem hidrostática) que eles usam para monitorar a gordura corporal e as alterações do músculo, qual avaliação antropométrica é a mais adequada para usarcom os alunos para detectar risco cardiovascular e metabólico? Você tem um educador físico, um academia ou um ” personal trainer”?
Foco Especial: Resistência à Insulina
Glicose é açúcar, fonte de energia para as células. As células necessitam de glicose para viver e sobreviver. A insulina é um hormônio responsável pela captura de glicose. Coloca o açúcar dentro da célula.
A) Em indivíduos normais, com o metabolismo da glicose eficaz, a insulina atua sobre os receptores no músculo, gordura e do fígado, como um "ajuste chave - fechadura", liberando a passagem para a glicose entrar e ser usada pela célula.
B) Em indivíduos com problemas com insulina pode ocorrer a resistência à insulina, uma condição clínica na qual o organismo produz insulina, mas as células do músculo, gordura e fígado não interagem com ela e a glicose não pode entrar na célula.O pâncreas tenta, sem sucesso, resolver o problema, produzindo mais insulina.Excesso de glicose se acumula na corrente sangüínea, uma condição pré-diabetes. Assim, a maioria das pessoas com resistência à insulina tem altos níveis de insulina e glicose circulante no sangue.
Por que a gordura abdominal representa tanto risco para a saúde?
No corpo humano, a gordura pode ser dividida em dois espaços principais: visceral (tronco) e subcutânea (sob a pele).Assim, a gordura é armazenada em pequenas quantidades no coração, pâncreas, fígado e no músculo, conhecido como gordura intramuscular (que é usada como combustível durante o exercício).
Gordura corporal visceral ajuda a manter os de níveis ácidos graxos livres ou gorduras no sangue, genericamente falando, e facilita na regulação de insulina no sangue.Gordura visceral pode ser infiltrada por células imuno específicas (conhecidas como macrófagos), que irão acionar a resistência à insulina, um precursor para a pré-diabetes e diabetes.
Células de gordura, uma vez considerados meramente depósitos exclusivos de energia, estão agora sendo reconhecidos como órgãos endócrinos (secreção hormonal) muito ocupados.
Elas secretam uma série de proteínas especializadas conhecidas como citocinas, que regulam as respostas a infecções, reações imunes, inflamação e trauma.No que diz respeito à regulação da inflamação (ie, a resposta do corpo a lesão ou irritação), as células adiposas secretam substâncias (citocinas) pró-inflamatórias (que causam inflamação) e antiinflamatórias (inibição da inflamação) (Dinarello, 2000).
Algumas das citocinas promovendo inflamação são de necrose tumoral, interleucina-6 e.Essas citocinas pró-inflamatórias podem danificar as paredes arteriais, quando a proteína C-reativa estiver cronicamente elevada no sistema circulatório, como de pressão arterial elevada e se tornar o ponto de partida para a formação e crescimento da placa aterosclerótica.Proteína C reativa elevada está positivamente correlacionada à doença cardiovascular. Medida de proteína C-reativa é relativamente fácil para testar em um exame de sangue.
Alguns pesquisadores entendem que “personal trainers” devem encorajar os clientes a ter sua proteína C-reativa avaliada junto com controle de colesterol. Células de gordura também produzem e secretam adiponectina, uma proteína especializada que melhora a sensibilidade à insulina (habilidade das células de usar a glicose) e protege contra a aterosclerose.Infelizmente, com acúmulo de gordura visceral de obesidade, os níveis de adiponectina estão reduzidos, levando a um maior risco para a saúde cardiometabólica (por exemplo, doenças cardíacas e diabetes).
É importante ressaltar que níveis elevados de cortisol no sangue intensificam a deposição de gordura central. O cortisol é um hormônio do estresse e, assim o estresse crônico pode aumentar diretamente o acúmulo de gordura visceral.
Esta é uma boa razão para aulas de mente/corpo, que ajudam a neutralizar o estresse e assim podem neutralizar diretamente o acúmulo de gordura central.
Medição antropométrica: IMC, circunferência da cintura e relação cintura-quadril
O IMC é calculado como peso em kg dividido pelo quadrado da altura (em metros).Outro cálculo do IMC é simples peso corporal em quilos multiplicado por 703 e depois dividido pela altura em centímetros.Há muitas calculadoras de IMC na web. A Organização Mundial de Saúde estabeleceu diretrizes para IMC normal (18,5-24,9 kg/m2), sobrepeso (25-29,9 kg/m2) e obesidade (> 30 kg/m2) em adultos.
Uma das desvantagens do uso de IMC em populações de academia de musculação é que uma pessoa com massa muscular maior terá IMC maior, produzindo uma avaliação imprecisa de sobrepeso ou obesidade.Ness-Abramof e Apovian (2008) também indicam que as populações idosas tendem a ter uma perda de massa muscular, possivelmente levando a uma sub estimativa do IMC.
Srikanthan, Seeman, e Karlamangla (2009) acrescentam que os resultados de envelhecimento em diminuições da postura em pé, que pode aumentar de forma imprecisa o IMC em 1,5 kg/m2 em homens e 2,5 kg/m2 em mulheres, apesar de o mínimo de alterações no peso corporal.
Finalmente, o IMC é um indicador fraco de problemas de saúde relacionados com peso entre alguns grupos raciais e étnicos, tais como mulheres Afro-americanas e hispano-americanas (National Institute of Diabetes e Doenças Digestivas e Renais, 2008).
Circunferência da Cintura
A medição precisa de gordura visceral requer o uso de ressonância magnética ou tomografia, que são técnicas científicas que visualmente retratam as composições dos tecidos internos. Circunferência da cintura é uma técnica substituta para essas avaliações científicas.
A circunferência da cintura > 35 polegadas (88 cm) em mulheres e> 40 polegadas (102 cm) em homens está associada com maior risco cardiometabólico (Ness-Abramof e Apovian, 2008).Welborn e Dhaliwal (2007) indicam que a circunferência da cintura é superior ao IMC na predição de risco de doença cardiovascular.
Uma questão prática é como a circunferência da cintura deve ser medida?Os pontosincluem: 1) o umbigo, 2) o ponto médio entre a última costela e a crista ilíaca, e 3) acima da crista ilíaca.
De forma vantajosa, estudos mostraram que todos esses marcos da circunferência da cintura são igualmente eficazes na identificação de todas as causas de mortalidade, doenças cardiovasculares e risco de diabetes.
Assim, os profissionais de exercício ou educadores físicos são encorajados a usar o marco anatômico que funciona melhor com seus clientes. Certifique-se que a medida é tomada no final da expiração, quando o diafragma está na posição neutra, durante uma inspiração o diafragma desce para a cavidade abdominal, aumentando a medida da circunferência da cintura.
Educadores físicos são aconselhados a usar uma " fita métrica com mola", uma vez que estas medidas simples e barata de fita fornecem uma tensão constante, consistente com o conjunto de medidas antropométricas.
Relação Cintura-quadril
Para a razão cintura-quadril, a cintura é medida na parte mais estreita da cintura, entre a última costela e a crista ilíaca e a circunferência do quadril é tomada na área mais larga dos quadris e na maior protuberância das nádegas. Em seguida, basta dividir a medida da cintura pela medida do quadril.
A OMS define os índices de > 9,0 em homens e > 8,5 em mulheres como uma relação decisiva para a síndrome metabólica.Estudos confirmam e citam vários outros estudos que mostram que a relação cintura-quadril é a medida clínica superior para prever todas as causas e a mortalidade por doença cardiovascular.Welborn e Dhaliwal acrescentam que a circunferência do quadril indica um risco menor de acúmulo de gordura corporal e, portanto, incluí-la na equação da cintura-quadril aumenta a precisão da técnica de medida.
Técnica antropométrica útil para identificar risco em crianças com excesso de peso
Embora haja tabela específica para faixas etárias para a juventude, com a circunferência da cintura, alguns autores recomendam o uso de relação cintura-altura com 5,0 sendo normal e > 5,0 sendo aumento de risco metabólico e cardiovascular.Relação cintura-altura é calculada dividindo-se a medida da cintura de uma pessoa por sua altura.Novamente, lembrar que cintura é medida no ponto mais estreito entre a costela inferior e a parte superior do osso ilíaco.
Conclusões antropométricas
É inspirador destacar que há uma infinidade de investigação sobre estas medidas antropométricas.O IMC é uma maneira confiável de saber se o peso corporal está colocando de forma generalizada a saúde de uma pessoa em risco.Circunferência da cintura e relação cintura-quadril são medidas de adiposidade central que parecem prever o risco cardiovascular e diabetes melhor do que o IMC.
Muita pesquisa indica que a relação cintura-quadril é um indicador de risco de saúde superior.Muitos profissionais experientes são altamente qualificados em técnicas de medida de composição corporal, tais como dobras cutâneas.
Ao completar e explicar as medidas antropométricas e composição corporal para as pessoas, profissionais de saúde incluídos os educadores físicos, personal trainers podem fornecer informações educativas complementares sobre redução de riscos a saúde cardiometabólica e melhorar a qualidade de vida.
Por Julieta Ueta