Árbitro de futebol se desloca quase 10 km em 90 minutos de jogo

  • PDF
arbitro-futebol-desloca-10-km-jogo
Praticamente um atleta, árbitro de futebol se torna top com 10 anos de carreira e pode ganhar R$3.000,00 por partida

Pendurar as chuteiras. O termo, que surgiu dentro dos campos, logo foi incorporado à linguagem popular para se referir à aposentadoria de um atleta. Em sua aplicação original, significa o momento em que o jogador de futebol decide parar de jogar, na maioria das vezes por não estar mais conseguindo apresentar os resultados que o time e a torcida esperam dele.

Mas e o árbitro, quando é o momento de decidir pendurar as chuteiras?

Na verdade, o árbitro não decide: decidem por ele. Existem idades limite para a atuação do árbitro em jogos oficiais, que variam conforme o país e a entidade que rege o esporte no território. Na Inglaterra, por exemplo, a idade máxima é 50 anos. Na FIFA, o limite é 45, mesmo teto do Brasil. Porém, a nova direção da comissão de arbitragem da CBF quer baixar o limite para 35 anos, decisão que vem gerando bastante polêmica no meio.

Alberto Inácio da Silva, professor da Universidade Estadual de Ponta Grossa (PR), questiona essa resolução. Segundo ele, “essa medida é um contrassenso, já que a idade em que o árbitro geralmente começa a atuar é por volta dos 25 anos e, para se tornar um bom profissional, necessita de pelo menos 10 anos de prática”, diz.

Membro do Grupo de Pesquisa em Árbitro de Futebol, que investiga temas relacionados à preparação física do árbitro, como intensidade da atividade e gasto energético dentro da partida, Alberto Inácio defende que o importante é o profissional se manter em forma, o que é verificado através da realização de testes periódicos.

Estes testes, que antigamente eram realizados anualmente, passaram a acontecer 2 a 3 vezes por ano. Essa mudança na avaliação por si só já garantiu certo avanço, já que, quando o teste era anual, alguns árbitros se preocupavam com sua performance somente no período anterior à realização do exame. Agora eles são obrigados a manter o condicionamento físico ao longo do ano.

Árbitros brasileiros caminham mais do que correm


O próprio Alberto Inácio publicou matéria em que, reunindo o resultado de diversas pesquisas realizadas no Brasil e no resto mundo, constatou que o deslocamento médio dos árbitros durante uma partida é basicamente o mesmo, não importa o país: 9209 metros no Brasil, 9380 metros na Inglaterra, 9736 metros no Japão, 10070 metros na Dinamarca. Isso durante os 90 minutos regulamentares de jogo.

A diferença estaria na velocidade da passada: no Brasil, os árbitros caminham mais do que correm, enquanto que, na Europa, é o oposto.

O árbitro da CBF Rodrigo Cintra, que atuou 9 anos junto à Federação Paulista de Futebol e está atualmente no futebol baiano, já chegou a percorrer 14,1 km em uma única partida, sendo que os jogadores percorrem, da ala para o ataque, uma distância média de 12 km.

Formado em Educação Física, Cintra acumula mais de 500 jogos apitados, 100 deles só no Campeonato Brasileiro. Para se manter em forma, frequenta a academia ou praia 3 a 4 vezes por semana, procurando fazer um treino principalmente de manutenção cardio-respiratória.

Mercado de trabalho de um árbitro

A escalação dos árbitros é feita pelo presidente da entidade à qual são filiados, que decide a convocação juntamente com uma comissão.

Assim, para se chegar à primeira divisão do esporte, 70% do sucesso do árbitro depende de seu próprio desempenho; os outros 30% vão depender de indicação.

Os árbitros não recebem salário fixo, mas uma remuneração por partida. O valor da remuneração depende do tipo de competição: nos jogos amadores, varia entre R$ 20 a 30 por partida; nos jogos da primeira divisão do Brasileiro, sobe para R$ 2.500 a R$ 3.000,00 por partida.

Requisitos para se tornar árbitro de futebol


Ter mais de 18 anos, 2º. grau completo (não é necessário ter curso superior), e realizar curso oficial de arbitragem.

Antes de cada temporada, os árbitros devem realizar teste físico e teórico, uma forma de exigir que se mantenham em forma. Mas a manutenção do condicionamento físico é por conta de cada um. Somente as federações paulista e carioca oferecem programa de treinamento aos árbitros ligados a elas.

Uma exigência da CBF é que seus integrantes comprovem ter uma profissão ou, em outras palavras, outra fonte de renda.

Recentemente, a Federação Paulista passou a exigir também que seus integrantes realizem um curso de socorrista que ela própria oferece, numa parceria fechada com o Incor.

Curso de arbitragem


Os cursos não são padronizados, nem em termos de conteúdo, nem na forma. Alguns têm carga horária de 40 horas, outros de 80 horas, alguns duram 6 meses. O curso oferecido pela Federação Paulista de Futebol, considerado o melhor do país, tem duração de um ano.

No curso paulista, além das disciplinas teóricas, onde são estudadas as regras da modalidade, legislação esportiva, psicologia esportiva, etc, os participantes têm também matérias práticas. E, terminado o curso, atuam no campeonato sub 17 como árbitros. Somente depois desse “estágio” recebem a avaliação final, quando são autorizados a atuarem como árbitros ou bandeirinhas.

É possível arbitrar sem ter realizado o curso, porém somente em jogos amadores.

Cleide Tanabe, Jornalismo Portal EF