Postura: melhore seu desempenho e evite lesões

18 de outubro de 2016 ● POR Redação

Mais do que colocar um pé à frente do outro, uma boa postura na corrida é essencial para quem deseja obter mais desempenho no asfalto. A forma como se alinham braços, pescoço, joelhos e quadril influencia diretamente na performance, é o que garante o treinador Marcelo Alexandroni, da Marcos Paulo Assessoria Esportiva. “Com uma postura na corrida adequada, as suas passadas tornam-se mais eficientes e você consegue desenvolver uma velocidade maior, por mais tempo e com menor risco de lesões.”
Alexandroni explica, ainda, que com a postura na corrida correta o atleta vai demandar menos energia para realizar o exercício. “Para um atleta conseguir melhores resultados, além do VO2 e limiar de lactato, a economia de corrida é uma valência que deve ser trabalhada. Com uma postura adequada, gasta-se menos energia para realizar a mesma tarefa com uma postura inadequada”, diz Alexandroni.
É verdade que cada corredor tem sua forma natural de correr. Esse movimento é construído ao decorrer da vida. Porém, é possível corrigir problemas que podem vir a se tornar lesões no futuro. “Existem alguns pontos que devem ser corrigidos, como os movimentos excessivos de rotação de tronco, o ataque excessivo da passada com o calcanhar e a posição da cabeça durante a corrida, que podem gerar lesões com os passar dos treinos.”
Uma postura correta também ajuda o corredor a proteger eu corpo de lesões, pois haverá uma melhor absorção do impactos durante as passadas. “Se corremos com uma postura desfavorável, boa parte do impacto não é absorvida e, além de sobrecarregar nossos músculos e tendões, nossas articulações e estruturas ósseas ficam em uma situação bastante desfavorável”, finaliza Alexandroni.
Algumas dicas para você melhorar sua postura:
Cabeça: olhe para a frente, na linha do horizonte.
Ombros: devem estar relaxados. Evite correr com os braços elevados e tensionados.
Tronco: tronco e pescoço eretos e alongados, ligeiramente projetados à frente.
Braços: paralelos, mantendo os cotovelos flexionados em 90°. O movimento é um ciclo de pêndulo de modo alternado.
Joelhos: ao tocarem o chão os joelhos deve estar ligeiramente flexionado.
Tornozelos: deixe-os relaxados para quando toquem o chão realizem a flexão (dobrar) e ajudem no amortecimento.
Pés: na aterrissagem, o contato do pé com o solo deve ser feito com o meio do pé ou antepé (parte da frente).

Matéria publicada pelo Ativo.com