Chega de preguiça: academia online

05 de abril de 2016 ● POR Karina Dias

Falta de tempo e de motivação são as principais desculpas para homens e mulheres continuarem sedentários no Brasil. É o que aponta o Diagnóstico Nacional do Esporte, elaborado no ano passado pelo Ministério da Saúde. Mas e se o exercício fosse até a casa do aluno e não ao contrário?

“Já parei de frequentar academia há uns dois anos. Achava cansativo, não via o resultado que eu esperava. Além de tudo, tomava muito meu tempo porque além de ter que me deslocar ainda ficava esperando para poder usar os aparelhos”, conta o técnico de som Marcos Sandes Pereira, de 41 anos.

A solução encontrada por Pereira há dois meses foi fazer uma “academia online”. A plataforma Treinei promete levar aulas ao vivo, online e interativas para quem quiser. O aluno precisa primeiramente fazer uma avaliação e contar suas preferências alimentares e físicas e quais atividades deseja praticar. Em seguida, o site sugere os tipos de aulas e refeições que combinem com o perfil e objetivos. Ai é só começar a malhar.

“Todas as aulas são pensadas para que não se utilize nenhum material extra, somente o peso do corpo. O único gasto extra que o aluno vai ter é uma internet razoável, com no mínimo 10 MB de velocidade”, explica o chefe treinador da start up Rafael Ribeiro.

Entre as modalidades estão yoga, mat pilates, ritmos, condicionamento físico, HIIT (treino de alta intensidade), força e potência, hipertrofia e flexibilidade. Por ser ao vivo, o professor acompanha todo o movimento do aluno por meio de webcam para que ele não se machuque ao fazer algum exercício errado. “A gente demonstra primeiro como se faz para o aluno repetir depois. Como estamos ao vivo, a ideia é que o professor corrija a postura sempre que precisar. E ao ser corrigido, ele passa a ter uma consciência corporal e errar cada vez menos.”

Há três tipos de plano, que vão de R$ 49,90 a R$ 159,90 ao mês. Os encontros, no entanto, não são particulares. A mensalidade mais cara dá direito a aulas em grupo ilimitadas e seis vips, na qual há no máximo quatro alunos.

“É uma aula para todo o grupo. Mas, por exemplo, em uma série de 30 segundos o aluno precisa fazer o máximo de repetições que conseguir. Um mais avançado vai conseguir fazer mais do que alguém que começou há pouco tempo. Apesar de estar todo mundo junto, vai do limite de cada um”, conta Ribeiro.

Segundo a co-CEO Gislaine Zaramella, o público feminino, entre 25 e 40 anos, é o que mais procura a plataforma. “Geralmente são pessoas que têm o dia corrido, não têm o perfil de academia ou até tentaram mas ainda não encontraram uma forma de praticar exercício regulamente de uma maneira que seja prazerosa.”

As aulas têm horário marcado. De segunda a sexta, ocorrem das 7h às 10h, e das 19h às 22h. Aos sábado também há treinos pela manhã. No caso de Pereira, o período matutino foi o que melhor se encaixou no seu ritmo de trabalho. “Na minha grade tenho HIIT, alongamento, hipertrofia e condicionamento. Costumo fazer cinco dias na semana e, para a visualização ficar melhor, ligo o notebook na televisão.”

De acordo com Gislaine, os horários fixos foram determinados segundo levantamento. “Fizemos uma pesquisa e descobrimos que esses são os horários de pico. Temos demandas e avaliamos constantemente a possibilidade de abrirmos novos turnos. Já recebemos questionamentos até sobre a madrugada.”

O objetivo da Treinei, segundo a co-CEO é levar o estilo de vida saudável para todo o País. “Lançamos um aplicativo, por enquanto só para Android, que transmite as aulas com exercícios 100% personalizados pelo celular onde a pessoa estiver. Para se chegar ao resultado é preciso fazer as aulas, seguir orientações e cuidar também da alimentação. Não existe milagre”, finaliza Gislaine.