Malhação Corporal

14 de março de 2012 ● POR Redação

William Pereira da Silva

Malhação é um termo da gíria brasileira que é fazer ginástica vigorosa visando à musculação ou emagrecimento. Geralmente malhação está ligada aos exercícios físicos de musculação em academias nos diversos aparelhos criados para tal finalidade.
Como professor de Educação Física sempre fui contra ao modismo da malhação em academias, para mim este tipo de atividades não significa propriamente saúde, ela esta mais para atletas profissionais que busca melhorar seu rendimento mesmo que para isso arrebente seu sistema muscular. Adquirir saúde para melhorar sua qualidade de vida não significa sofrer com exercícios corporais infindáveis que trazem dores por todo o corpo. Muitas vezes as pessoas por não suportarem passam no máximo três meses praticando musculação prejudicando sensivelmente sua estrutura corporal onde num futuro bem próximo sentirá os efeitos maléficos de tais ações.
As atividades naturais devem ser cultuadas por aqueles que necessitam melhorar seu desempenho físico diminuindo a incidência de doenças cardiovasculares mantendo uma atividade física regular, bem dosada, moderada e sem fins atléticos para competições.
Antes de uma interpretação errônea sobre minha concepção é bom citar que não sou contra academias, elas são necessárias e importantes naquilo para que foram criadas, apenas vejo restrições no seu uso inadequado, muitos fazem delas, principalmente jovens adolescentes um meio de estourar seus músculos para atingir uma compleição física mais avantajada não levando em considerações certas recomendações, por exemplo, um músculo não pode ser hipertrofiado antes que o esqueleto tenha crescido em todo seu potencial, o que acontece por volta dos vinte anos. (Turíbio, 1997).
Os exercícios naturais são aqueles onde utilizamos somente nosso corpo juntamente com os recursos naturais, são eles; andar, caminhar, correr, nadar, saltar, rastejar, pular, lançar, pegar, arremessar, flexionar braços, pernas, abdômen e partes do corpo, subir e descer(rampas, ladeiras, árvores, morros, cordas), agachar, apoio dos braços (Flexão e extensão braços apoiando o corpo na vertical ou na horizontal), carregar (pedras, tronco árvores, pessoas), empurrar, puxar, balançar, enfim todo movimento corporal executável nas possibilidades existentes no corpo humano respeitando seus limites. Ainda podemos utilizar recursos materiais adquiridos facilmente no nosso cotidiano como pedalar bicicleta, jogar bola nas suas diversas modalidade esportivas, atividades jogos e recreação, dançar com músicas em casa nas festas, remar nas canoas em pescarias, caçar e tudo que a imaginação possa criar para colocar seu corpo em movimento. Tudo isso ao seu dispor antes de pensar em malhar numa academia.
Algumas concepções são criadas por pessoas praticantes das atividades físicas nas trocas de informações para um melhor desempenho corporal. É preciso entender alguns fatores que não passam de mitos criados ao longo do tempo. Muita gente pensa que para conseguir resultados nas atividades físicas é necessário sentir dores musculares, ninguém precisa sentir dor para se beneficiar dos exercícios físicos, bastar praticar atividades dentro do seu limite com moderação aumentando regularmente sua intensidade ao longo do tempo, só consegue melhorar a qualidade de vida quem mantém uma atividade física regular, bem dosado, sem exageros. Para ter um bom desempenho nas atividades é preciso somente praticar cerca de 45 minutos de exercício três vezes por semana. O sedentário que pratica uma vez por semana pode estar sendo prejudicado pensado que a quantidade de exercício em pouco tempo irá melhorar seu condicionamento físico, o bom é um pouco de atividade por vários dias.
Os melhores exercícios para a saúde são chamados os exercícios aeróbicos, como caminhar, nadar e pedalar, segundo Turíbio Leite de Barros Neto, professor da Universidade Federal de São Paulo, fisiologista, autor do livro Exercício, Saúde e Desempenho Físico, correr só é recomendável para quem já tem bom condicionamento. Para a estética, levantar peso pode ser mais interessante do que andar. Mas do ponto de vista da saúde, não se deve trocar uma boa caminhada por uma aula de musculação. O melhor esporte, no entanto, é o que dá prazer à pessoa. Quem faz o que gosta beneficia o corpo e também a mente, e é isso que torna o exercício um hábito. Quando a atividade física é prazerosa, ela deixa de ser um sacrifício. As pessoas a incorporam a em sua vida e, quando deixam de faze-la, sentem falta. Essa necessidade não é apenas subjetiva: quando o exercício está dentro de uma faixa de intensidade agradável, há liberação de endorfina, um neurotransmissor que dá sensação de bem-estar ao individuo.

Malhação é um termo da gíria brasileira que é fazer ginástica vigorosa visando à musculação ou emagrecimento. Geralmente malhação está ligada aos exercícios físicos de musculação em academias nos diversos aparelhos criados para tal finalidade.
Como professor de Educação Física sempre fui contra ao modismo da malhação em academias, para mim este tipo de atividades não significa propriamente saúde, ela esta mais para atletas profissionais que busca melhorar seu rendimento mesmo que para isso arrebente seu sistema muscular. Adquirir saúde para melhorar sua qualidade de vida não significa sofrer com exercícios corporais infindáveis que trazem dores por todo o corpo. Muitas vezes as pessoas por não suportarem passam no máximo três meses praticando musculação prejudicando sensivelmente sua estrutura corporal onde num futuro bem próximo sentirá os efeitos maléficos de tais ações.
As atividades naturais devem ser cultuadas por aqueles que necessitam melhorar seu desempenho físico diminuindo a incidência de doenças cardiovasculares mantendo uma atividade física regular, bem dosada, moderada e sem fins atléticos para competições.
Antes de uma interpretação errônea sobre minha concepção é bom citar que não sou contra academias, elas são necessárias e importantes naquilo para que foram criadas, apenas vejo restrições no seu uso inadequado, muitos fazem delas, principalmente jovens adolescentes um meio de estourar seus músculos para atingir uma compleição física mais avantajada não levando em considerações certas recomendações, por exemplo, um músculo não pode ser hipertrofiado antes que o esqueleto tenha crescido em todo seu potencial, o que acontece por volta dos vinte anos. (Turíbio, 1997).
Os exercícios naturais são aqueles onde utilizamos somente nosso corpo juntamente com os recursos naturais, são eles; andar, caminhar, correr, nadar, saltar, rastejar, pular, lançar, pegar, arremessar, flexionar braços, pernas, abdômen e partes do corpo, subir e descer(rampas, ladeiras, árvores, morros, cordas), agachar, apoio dos braços (Flexão e extensão braços apoiando o corpo na vertical ou na horizontal), carregar (pedras, tronco árvores, pessoas), empurrar, puxar, balançar, enfim todo movimento corporal executável nas possibilidades existentes no corpo humano respeitando seus limites. Ainda podemos utilizar recursos materiais adquiridos facilmente no nosso cotidiano como pedalar bicicleta, jogar bola nas suas diversas modalidade esportivas, atividades jogos e recreação, dançar com músicas em casa nas festas, remar nas canoas em pescarias, caçar e tudo que a imaginação possa criar para colocar seu corpo em movimento. Tudo isso ao seu dispor antes de pensar em malhar numa academia.
Algumas concepções são criadas por pessoas praticantes das atividades físicas nas trocas de informações para um melhor desempenho corporal. É preciso entender alguns fatores que não passam de mitos criados ao longo do tempo. Muita gente pensa que para conseguir resultados nas atividades físicas é necessário sentir dores musculares, ninguém precisa sentir dor para se beneficiar dos exercícios físicos, bastar praticar atividades dentro do seu limite com moderação aumentando regularmente sua intensidade ao longo do tempo, só consegue melhorar a qualidade de vida quem mantém uma atividade física regular, bem dosada, sem exageros. Para ter um bom desempenho nas atividades é preciso somente praticar cerca de 45 minutos de exercício três vezes por semana. O sedentário que pratica uma vez por semana pode estar sendo prejudicado pensando que a quantidade de exercício em pouco tempo irá melhorar seu condicionamento físico, o bom é um pouco de atividade por vários dias.
Os melhores exercícios para a saúde são chamados os exercícios aeróbicos, como caminhar, nadar e pedalar, segundo Turíbio Leite de Barros Neto, professor da Universidade Federal de São Paulo, fisiologista, autor do livro Exercício, Saúde e Desempenho Físico, correr só é recomendável para quem já tem bom condicionamento. Para a estética, levantar peso pode ser mais interessante do que andar. Mas do ponto de vista da saúde, não se deve trocar uma boa caminhada por uma aula de musculação. O melhor esporte, no entanto, é o que dá prazer à pessoa. Quem faz o que gosta beneficia o corpo e também a mente, e é isso que torna o exercício um hábito. Quando a atividade física é prazerosa, ela deixa de ser um sacrifício. As pessoas a incorporam a em sua vida e, quando deixam de faze-la, sentem falta. Essa necessidade não é apenas subjetiva: quando o exercício está dentro de uma faixa de intensidade agradável, há liberação de endorfina, um neurotransmissor que dá sensação de bem-estar ao individuo.