Arrogância gerencial x metas

20 de novembro de 2012 ● POR Redação

As metas não foram atingidas? Avalie a “arrogância” da sua equipe gerencial! As empresas vão investindo em treinamentos, seus colaboradores vão de cursos em cursos, fundação em fundação, mas quem avalia o resultado destes cursos para os negócios da empresa?

A vida de docente, professor, instrutor, facilitador, moderador, tem aspectos interessantes. Em recente treinamento para uma equipe de gerentes de uma indústria farmacêutica, um fato muito revelador.

Foram exigidas reuniões prévias para conhecimento do conteúdo programático bem como do docente. Nada mais certo e justo. Uma, duas, três, quatro reuniões (para um curso de 8 horas) e um primeiro fato não revelador mas estarrecedor (Que causa medo ou terror), surgiu.

O docente apresenta um estudo sobre a indústria farmacêutica realizado pela revista “The Economist”. O gerente de mercado sênior, contesta:

– Mas quem disse que devemos acreditar em um estudo de uma revista francesa?

Pareceu brincadeira o desconhecimento, que The Economist, é inglesa e uma das revistas de maior credibilidade no planeta…mas não era…o executivo que recebe milhares de reais por mês, além de bônus, convencido de dizer que trabalha há anos na indústria farmacêutica, com muitas viagens internacionais, realmente não sabia mesmo a origem da revista “The Economist”.

Mas que mal há nisso, você meu caro leitor, leitora pode estar dizendo. Isso é apenas um detalhe, então vamos seguir.

Fato estarrecedor 2

Passado aquele momento, o docente propõe para este treinamento, a utilização de duas matrizes que podem ajudar outros gerentes de marketing da empresa multinacional em seu dia-a- profissional.

Trata-se da “matriz de avaliação de valor e o modelo das quatro ações”.

Os gerentes então seniores da empresa presentes e com muitos anos de mercado, realizando cursos e mais cursos, inclusive em instituições de renome internacional, mencionam que nunca viram aquelas matrizes e que inclusive gostariam de ter cópia naquele momento para utilização interna.

Também você pode estar dizendo. Ah mas por que eles deveriam conhecer estas matrizes?

Apenas, porque na reunião anterior foi-lhes perguntado se haviam lido um um livro chamado “A Estratégia do Oceano Azul”. E como era de se esperar disseram que sim, que adoraram o conceito do livro de oceano vermelho x oceano azul, e que já utilizavam os conceitos e ferramentas do livro em seu dia-a-dia. E ainda, que todos conheciam e estavam cansados de ouvir falar de oceano azul x oceano vermelho.

Pois é meu caro leitor, minha cara leitora, em que livro mesmo, são enfatizadas “A Matriz de Avaliação de Valor e o Modelo das quatro ações”?

Sim, vocês acertaram a resposta. O livro se chama “A Estratégia do Oceano Azul: como criar novos mercados e tornar a concorrência irrelevante”, publicado pela Campus/Elsevier no Brasil.

O mais interessante é que estas matrizes, são apresentadas na parte um do livro, nas primeiras 43 páginas de um livro de pouco mais de 240 páginas, lançado em 2005. O treinamento em questão foi realizado neste 2012.

Os bastidores do mundo corporativo

Mas, infelizmente este Brasil, fica escondido atrás das confortáveis salas de reunião de empresas multinacionais aqui sediadas. As empresas investem milhões de reais em programas de treinamento, mas ficam mais preocupadas em avaliar os docentes que ministram os cursos, as instituições as empresas que os ministram, mas não se preocupam com quem deveriam se preocupar: seus colaboradores, funcionários ou como na legislação trabalhista brasileira “seus empregados”.

Enquanto se multiplicam os programas e exigências para trainees, gerentes executivos que falam tanto de suas experiências, conhecimento do mercado e da cultura organizacional da empresa, vão de curso em curso, fundação em fundação, no Brasil e no exterior, acumulando cursos e títulos em seus “curriculum vitaes”.

Destes, muitos já pensando no próximo programa de treinamento, reunião da CIPA, no seu negócio próprio ou de seu cônjuge, para poder em um tempo futuro “abocanhar” sua gorducha previdência privada.

Por isso Senhor Diretor e/ou Empresário, quando as metas não forem atingidas, verifique se sua equipe de gerentes seniores tem aplicado o conhecimento que sua empresa paga no dia-a-dia dos seus negócios, ou eles só estão ampliando “seus cvs” com cursos cada vez mais sofisticados e caros, que na verdade não se transformam em conhecimento ou resultados para sua empresa, mas sim para “a outra empresa” que pode ser a própria ou a de seus concorrentes.

Afinal este é apagão de talentos que estamos vivendo, senhores administradores. Aguardo seu comentário, boa semana, bom trabalho, boa sorte.

Por Alfredo Passos, Partner da Knowledge Management
Publicado no site Administradores.com