Necrose avascular do joelho deve ser tratada com fisioterapia aquática

18 de setembro de 2014 ● POR Redação

A osteonecrose, também conhecida necrose avascular, é caracterizada pela morte do tecido ósseo de determinada parte do joelho por falta de irrigação sanguínea. Ela pode ser idiopática espontânea ou secundária. Na idiopática, embora não haja uma causa determinante, háfatores de risco como o uso intenso de corticóides, alcoolismo crônico e doenças autoimunes, como lupus eritematoso.


A primeira manifesta-se como uma dor aguda no joelho, que o paciente percebe nitidamente. É encontrada em pessoas acima de 55 anos, ocorre com maior incidência no sexo feminino e em pessoas obesas. Ela aparece durante o esforço com sobrecarga como caminhadas, corridas, subidas e descidas de escadas e, às vezes, pode ocorrer durante o repouso noturno. Na osteonecrose secundária, a dor é insidiosa, mascarada e se agrava progressivamente como se fosse um processo degenerativo, como nas artroses.

O que se deve fazer?

Procurar um ortopedista para que seja feito um exame meticuloso acompanhando de exames de imagem, como raio-X e ressonância magnética. A ressonância magnética determina a doença mais precocemente. O paciente deve caminhar com muletas, colocando parcialmente o peso sobre o membro afetado, ou utilizar cadeiras de rodas com zero carga, depende da gravidade e da recomendação medica. Otratamento precoce e correto vai reduzir e eliminar os sintomas desta patologia em um período de dois a três meses.

O tratamento mais indicado é a fisioterapia aquática, pois pode ser iniciada o mais precocemente possível com zero carga, em deep water, sem colocar os pés no chão. Trabalhar a articulaçãocom movimentos suaves, lentos, funcionais e ativos, ou seja, o paciente realiza os exercícios por si mesmo, sem carga adicional e sob a orientação do fisioterapeuta. 

As propriedades físicas da água diminuem o peso e o atrito sobre a articulação do joelho, aumentam o aporte sanguíneo tão importante nesta patologia, que precisa de irrigação sanguínea para recuperação óssea. A pressão hidrostática age como uma meia elástica, aumentando a pressão na parte inferior da perna e diminuindo na superfície, massageando os gânglios linfáticos, reduzindo o edema e melhorando a vascularização. A temperatura da água, o empuxo e a pressão hidrostática proporcionam diminuição da dor e melhoram a circulação, facilitando os movimentos articulares.

Não pode haver sobrecarga sobre a região do joelho, o que pode levar ao agravamento da doença, podendo chegar ao clímax que seria a artroplastia, substituição total ou parcial do joelho.

Vamos ficar atentos aos sintomas, respeitar o nosso corpo, procurar o especialista e tratar o mais precoce possível, salvando a articulação. A articulação do joelho está presente em todos os momentos e atividades da vida diária. Vamos cuidar dela com carinho. 

Matéria publicada pelo site Eu Atleta