Disfunções da Imagem Corporal: Vigorexia e Anorexia

21 de março de 2012 ● POR Inara da Silva Santos

 

Caro(a) Leitor (a), no texto anterior vimos que imagem e esquema corporal são componentes do desenvolvimento psicomotor que se distinguem em sua estruturação, pois um está ligado às experiências relacionais e o outro às experiências corporais funcionais que o indivíduo tem ao longo de sua vida. E ambos, esquema e imagem do corpo podem sofrer disfunções no decorrer de sua construção, apesar de serem diferentes, esquema e imagem do corpo se desenvolvem paralelamente e quando um está enfermo o outro apresenta os sintomas.

Por isso chamo atenção para duas das disfunções de imagem corporal que estão em evidência nos meios de comunicação, mas que já fazem parte do nosso meio há décadas: transtorno dismórfico corporal e transtorno dismórfico muscular, também conhecidos como anorexia e vigorexia. Ambas são psicopatologias que atingem a sociedade moderna, o culto pelo corpo perfeito invade as academias e centros de treinamentos.

A anorexia é um distúrbio da imagem corporal, e atinge, freqüentemente, adolescentes do sexo feminino. Para alguns estudiosos da psicomotricidade este problema pode ter sua causa nas relações com a mãe, com o alimento, com o pai, com a feminilidade imaginária e a inexperiência com os meninos. O crescimento pubertário, o desenvolvimento dos seios, muitas vezes desproporcional ao tamanho do corpo e a menarca, significam para a adolescente, consciente ou inconscientemente, sua possível fecundidade e a idéia, inconsciente, de engravidar é insuportável fazendo com que seja uma obsessão o desejo, consciente, de ficar magra. Essa teoria pode parecer mais uma viagem de um psicomotricista, mas não deixa de ser relevante para quem quer atuar com a psicomotricidade ou para quem é educador físico. Além disso, acredita-se, também, que a sua causa possui raízes nas exigências da sociedade consumista em que vivemos, onde uma jovem vaidosa acredita que para ser aceita em determinado meio social ela precisa ser magra e sempre se vê como uma pessoa obesa. Para nós, psicomotricistas, isso, ainda tem haver com um Édipo mal sucedido, mas… Também há as atletas, muitas delas da ginástica (G.O. ou GRD), que são tão obcecadas que não entendem que os músculos pesam muito mais que gordura e acreditam estar gordas, então fazem dietas malucas para perderem peso e nós educadores físicos sabemos muito bem que não há como treinar pesado sem uma alimentação adequada, apesar de serem orientadas, algumas se utilizam de medicamentos ou recorrem ao vômito induzido, bulimia, que é um dos caminhos até a anorexia.

Já a vigorexia é mais comum no público masculino e esta psicopatologia é tão recente que acaba passando despercebida entre nós, educadores físicos. Ela se caracteriza pela prática excessiva de exercícios em busca de um corpo forte, grande, perfeito. Os portadores desta disfunção de imagem do corpo, geralmente, já têm o seu corpo bem robusto, musculoso, e mesmo assim, se vêm como pessoas magras e fracas, então se tornam tão obsessivos pelos treinamentos de hipertrofia que acabam consumindo esteróides e modificando radicalmente sua dieta.

Sua causa, assim como a anorexia está ligada a aspectos sócio-emocionais, geralmente, os portadores destes transtornos têm insegurança social ocasionada por complexos criados durante a construção de sua imagem corporal, durante a construção da sua personalidade, tornando-os indivíduos introvertidos, por isso após a maturação sexual estes indivíduos passam a acreditar, inconscientemente, que com um corpo “perfeito”, esta insegurança social seria resolvida.

A vigorexia apresenta mais comportamentos obsessivos do que a anorexia, como olhar-se no espelho constantemente, observando e medindo os músculos do corpo e sem perceber o vigoréxico, torna-se extremamente narcisista.  Estas doenças são acompanhadas de ansiedade, depressão, fobias, comportamentos compulsivos e repetitivos.

No vigoréxico pode haver falta de agilidade, além de problemas nos ossos e articulações, encurtamento de músculos e tendões, além da desproporção corporal que compromete a estética.

Tanto a Anorexia quanto a Vigorexia promovem a distorção da imagem corporal: os anoréxicos sempre se acham obesos, os vigoréxicos sempre se acham magros, pouco musculosos. Ambas podem ser consideradas como “patologias do narcisismo” e podem ser tratadas.

Através da Psicomotricidade Relacional é possível prevenir ou remediar as disfunções da imagem do corpo devido à estimulação, constante, nas trocas afetivas, as vivências podem trazer a tona fantasmas corporais surgidos desde a fase intra-uterina.

Nós, enquanto, educadores físicos, temos um papel fundamental na recuperação dos portadores destes transtornos, pois, geralmente, somos admirados por eles, por nosso conhecimento teórico e prático sobre o corpo, por termos o corpo “perfeito” ou por tantas pessoas gostarem de nós. Por isso, toda atenção é pouca, em especial na adolescência.

 

Caro(a) Leitor (a), no texto anterior vimos que imagem e esquema corporal são componentes do desenvolvimento psicomotor que se distinguem em sua estruturação, pois um está ligado às experiências relacionais e o outro às experiências corporais funcionais que o indivíduo tem ao longo de sua vida. E ambos, esquema e imagem do corpo podem sofrer disfunções no decorrer de sua construção, apesar de serem diferentes, esquema e imagem do corpo se desenvolvem paralelamente e quando um está enfermo o outro apresenta os sintomas.

Por isso chamo atenção para duas das disfunções de imagem corporal que estão em evidência nos meios de comunicação, mas que já fazem parte do nosso meio há décadas: transtorno dismórfico corporal e transtorno dismórfico muscular, também conhecidos como anorexia e vigorexia. Ambas são psicopatologias que atingem a sociedade moderna, o culto pelo corpo perfeito invade as academias e centros de treinamentos.

A anorexia é um distúrbio da imagem corporal, e atinge, freqüentemente, adolescentes do sexo feminino. Para alguns estudiosos da psicomotricidade este problema pode ter sua causa nas relações com a mãe, com o alimento, com o pai, com a feminilidade imaginária e a inexperiência com os meninos. O crescimento pubertário, o desenvolvimento dos seios, muitas vezes desproporcional ao tamanho do corpo e a menarca, significam para a adolescente, consciente ou inconscientemente, sua possível fecundidade e a idéia, inconsciente, de engravidar é insuportável fazendo com que seja uma obsessão o desejo, consciente, de ficar magra. Essa teoria pode parecer mais uma viagem de um psicomotricista, mas não deixa de ser relevante para quem quer atuar com a psicomotricidade ou para quem é educador físico. Além disso, acredita-se, também, que a sua causa possui raízes nas exigências da sociedade consumista em que vivemos, onde uma jovem vaidosa acredita que para ser aceita em determinado meio social ela precisa ser magra e sempre se vê como uma pessoa obesa. Para nós, psicomotricistas, isso, ainda tem haver com um Édipo mal sucedido, mas… Também há as atletas, muitas delas da ginástica (G.O. ou GRD), que são tão obcecadas que não entendem que os músculos pesam muito mais que gordura e acreditam estar gordas, então fazem dietas malucas para perderem peso e nós profissionais de Ed. Física sabemos muito bem que não há como treinar pesado sem uma alimentação adequada, apesar de serem orientadas, algumas se utilizam de medicamentos ou recorrem ao vômito induzido, bulimia, que é um dos caminhos até a anorexia.

Já a vigorexia é mais comum no público masculino e esta psicopatologia é tão recente que acaba passando despercebida entre nós, profissionais de Ed. Física. Ela se caracteriza pela prática excessiva de exercícios em busca de um corpo forte, grande, perfeito. Os portadores desta disfunção de imagem do corpo, geralmente, já têm o seu corpo bem robusto, musculoso, e mesmo assim, se vêm como pessoas magras e fracas, então se tornam tão obsessivos pelos treinamentos de hipertrofia que acabam consumindo esteróides e modificando radicalmente sua dieta.

Sua causa, assim como a anorexia está ligada a aspectos sócio-emocionais, geralmente, os portadores destes transtornos têm insegurança social ocasionada por complexos criados durante a construção de sua imagem corporal, durante a construção da sua personalidade, tornando-os indivíduos introvertidos, por isso após a maturação sexual estes indivíduos passam a acreditar, inconscientemente, que com um corpo “perfeito”, esta insegurança social seria resolvida.

A vigorexia apresenta mais comportamentos obsessivos do que a anorexia, como olhar-se no espelho constantemente, observando e medindo os músculos do corpo e sem perceber o vigoréxico, torna-se extremamente narcisista.  Estas doenças são acompanhadas de ansiedade, depressão, fobias, comportamentos compulsivos e repetitivos.

No vigoréxico pode haver falta de agilidade, além de problemas nos ossos e articulações, encurtamento de músculos e tendões, além da desproporção corporal que compromete a estética.

Tanto a Anorexia quanto a Vigorexia promovem a distorção da imagem corporal: os anoréxicos sempre se acham obesos, os vigoréxicos sempre se acham magros, pouco musculosos. Ambas podem ser consideradas como “patologias do narcisismo” e podem ser tratadas.

Através da Psicomotricidade Relacional é possível prevenir ou remediar as disfunções da imagem do corpo devido à estimulação, constante, nas trocas afetivas, as vivências podem trazer a tona fantasmas corporais surgidos desde a fase intra-uterina.

Nós, enquanto, profissionais de Ed. Física, temos um papel fundamental na recuperação dos portadores destes transtornos, pois, geralmente, somos admirados por eles, por nosso conhecimento teórico e prático sobre o corpo, por termos o corpo “perfeito” ou por tantas pessoas gostarem de nós. Por isso, toda atenção é pouca, em especial na adolescência.