É possível recuperar músculos mesmo depois dos 60 anos

19 de janeiro de 2017 ● POR Pedro Cunácia

É possível recuperar músculos, mesmo depois do 60º aniversário. A conclusão é o resultado de estudos realizados no UAB (University of Alabama at Birmingham) Center for Exercise Medicine pelo diretor da instituição, Marcos Bamman.
Segundo o pesquisador, pesquisas realizadas nesse laboratório do Alabama, e também em outros, repetidamente demonstraram que velhos músculos podem crescer e se fortalecer.
Ou seja: é possível recuperar músculos.
Homens e mulheres sexagenários e septuagenários que se submeteram a treinamento com pesos desenvolveram músculos tão grandes e fortes como aqueles que integram a musculatura de pessoas que se exercitam na faixa dos 40 anos de idade.
O processo de desenvolvimento muscular, no entanto, é diferente, se comparados praticantes de musculação mais velhos a mais novos.
Os músculos são compostos por diversos tipos de fibras. Segundo Bamman, as fibras musculares de adultos sedentários que ultrapassarem a meia-idade ou morrem ou encolhem e se atrofiam com o passar do tempo.
Adultos sedentários podem perder de 30 a 40% do total de seu número de fibras musculares quando completarem o 80º aniversário, segundo o pesquisador.
Essas fibras musculares podem crescer com os exercícios, mas, devido a um grande número de razões fisiológicas, o número de fibras não volta a aumentar.
Em termos práticos, o fato de o número de fibras não se elevar significa quase nada. O importante, segundo Bamman, é a conclusão: velhos músculos podem crescer e se fortalecer com trabalho. É plenamente viável a meta de recuperar músculos.
Mas não é nada fácil. O treinamento deve ser regular e progressivo.
Quem quiser se exercitar na tentativa de reconstituir a musculatura perdida com o passar dos anos deve se preparar para se cansar. Os músculos devem ser trabalhados à exaustão.
Nos estudos de Birmingham, os voluntários ergueram halteres tão pesados a ponto de mal conseguirem completar uma série de oito ou 12 repetições antes de seus braços ou pernas pesarem como chumbo, obrigando-os a um descanso.
Portanto, nada daquele trabalho preguiçoso, com bate-papo quase interminável e constantes olhadelas na tela do celular, maus hábitos que estão em voga nas academias hoje.
Os bravos voluntários repetiram cada série por duas ou três vezes e compareceram à academia por três vezes semanais, com seriedade.
Quem quiser incursionar nesse trabalho deve buscar treinadores/professores de educação física que tenham prática na orientação a praticantes mais velhos desses exercícios.
Matéria publicada pelo Ativo.com