Tecido acrobático alia o lúdico com o exercício físico

29 de setembro de 2015 ● POR Redação

Modalidade circense, tecido acrobático trabalha principalmente os músculos superiores e melhora equilíbrio e coordenação motora.

Esqueça os exercícios na academia ou os esportes convencionais. A atividade que vem chamando a atenção daqueles que procuram movimentar o corpo de uma forma mais lúdica e nada tradicional é o tecido acrobático, modalidade circense que deixou de ocupar apenas o picadeiro para cair no gosto de quem quer sair da rotina.

Ainda melhor, a modalidade não tem restrição de idade. Qualquer um pode participar. “A gente inclusive recebeu uma aluna de 61 anos. Como ela passou por um problema com o pé, agora quer algo diferente”, conta a instrutora Maria Luiza Vieira, da Cia de Acrobacia Aérea Penduricalho. Para quem tem receio de se machucar nos exercícios, a dica é seguir o passo a passo. “Tem gente que é mais destemido e quer logo ficar de cabeça pra baixo nas primeiras aulas. Nós vamos no ritmo de cada um. Vamos ensinando aos poucos, de acordo com a capacidade de cada um”, explica.

Exercício que exige do corpo inteiro, a recomendação é prestar bastante atenção na hora do aquecimento. “A gente faz alongamento desde o pescoço até trabalhar a ponta do pé. O tecido acrobático demanda mais dos músculos superiores, fortalecendo os músculos principalmente das costas, braços, ombro, trapézio e abdômen. Tem que ir aos poucos, fazendo muita abdominal. Como tudo que você vai fazer, tem que aprender a técnica”, explica a professora. As aulas acontecem no Clube do Alemão, no bairro de Parnamirim, na Zona Norte do Recife.

A jornalista Fabiana Jansen, 38 anos, decidiu mudar de vida e sair do sedentarismo quando teve o segundo filho, em abril do ano passado. Passou pelo pilates, dança de ventre até chegar, em março deste ano, no tecido acrobático. “Sempre achei lindo o tecido acrobático, tinha vontade mas sempre achava que não era capaz, que era só para os profissionais de circo. Mas aí percebi que essa questão foi quebrada, que as pessoas começaram a praticar atividade física fora da academia”, relembra. A prática, conta a jornalista, foi além do principal motivo. “Por incrível que pareça, consegui ir desenvolvendo. Claro que é um processo, mas me sai melhor do que esperava. Fui me empolgando com a atividade. Aquilo me permitiu vencer os meus limites, num processo de autodescoberta de uma forma muito lúdica”, comemora.

Segundo o fisiologista Cláudio Barnabé, o tecido acrobático é uma atividade que melhora a capacidade da força muscular. “O tecido acrobático trabalha na resistência dos músculos e na hipertrofia muscular. A modalidade também melhora o equilíbrio e a coordenação intramuscular, ou seja, a coordenação entre as fibras”, pontua. “Tem um bom gasto energético e se houver um desequilíbrio alimentar, que é comermos menos do que somos capazes de gastar, aliado à prática do exercício regularmente, pode até causar emagrecimento, se o trabalho for bem executado”, finaliza o especialista. A modalidade, no entanto, não é recomendada para quem quer aumentar o condicionamento aeróbico.

Matéria publicada no site Notícias NE10