5 tendências da nutrição para 2019

11 de fevereiro de 2019 ● POR Redação

O ano mal começou e 2019 promete chegar com fortes tendências no setor de nutrição e alimentação saudável, com intuito de apresentar aos consumidores produtos para melhorar a saúde e variar a dieta.

Embora pareçam novidades para a maioria de nós, cabe ressaltar que muitos destes alimentos, como ervas, algas e preparações fermentadas, fazem parte da cultura alimentar de populações há séculos.

Diante disso, separamos 5 tendências de alimentos/preparações que deverão chegar às prateleiras dos mercados, restaurantes e eventos de nutrição neste ano. Confira:

1. Sabores característicos da costa do Pacífico

A região costeira do oceano Pacífico, compreendida pela Ásia, Oceania e a costa ocidental da América do Norte e do Sul, promete incorporar produtos que estarão presentes em mercearias, restaurantes e mercados ao redor do mundo. Longaniza (salsicha filipina semelhante ao chouriço), o camarão seco, o chopo (tipo de molusco com oito braços e dois tentáculos) e a pasta de camarão estão entre as opções salgadas tendências de 2019. Frutas como goiaba, maracujá e pitaia, conhecida dos brasileiros, também figuram na lista organizada pelo mercadoWhole Foods. A jaca, utilizada como alternativa à carne de porco e consumida por vegetarianos e veganos, além de excelente fonte de vitaminas A, do complexo B, C, E, K, e minerais, tem alto teor energético. A fruta-dos-monges (siraitia) tem característica ultra doce e seu extrato pode ser usado como adoçante natural, graças aos mogrosídeos – glicosídeos com propriedades antioxidantes.

2. Probióticos na dispensa

Além de suplementos e nutracêuticos, em 2019 espera-se que os probióticos sejam incorporados em alimentos presentes na dispensa dos brasileiros, como granolas, aveias, sopas prontas e barrinhas de cereais. Além disso, novas cepas probióticas como os Bacillus coagulans GBI-30 e Bacillus coagulans MTCC 5856 serão incorporadas em alimentos do dia-a-dia, favorecendo e estimulando seu consumo. O estudo de Jäger et al. (2018), apontou para o potencial do Bacillus coagulans GBI-30, 6086 em auxiliar na digestão de proteínas e carboidratos da dieta.

3. Snacks sem carne

A procura por snacks com ingredientes naturais, associado ao aumento no número de pessoas cuja alimentação segue a linha plant-based, tem estimulado os consumidores à comprarem petiscos à base de vegetais. Seja por curiosidade, pela busca por novos sabores (como o umami) ou porque desejam dar uma pausa no consumo de carne, a tendência é que vejamos mais pessoas optando por snacks com cogumelos, chips de hortaliças e petiscos de “carne seca vegana.” Além disso, as mini-refeições ou “snackings” também farão parte da rotina dos consumidores em 2019, com direito a lojas específicas para a prática, valorização dos ingredientes utilizados nas preparações dos petiscos e elaborações feitas para aqueles que possuem alguma restrição dietética, como alergias e intolerâncias alimentares ou doença celíaca.

4. A nova onda de produtos marinhos

Algas e plantas do mar terão amplo destaque na alimentação neste ano. Apesar de alimentos como snacks de algas já estarem disponíveis nas prateleiras dos mercados, a tendência é que vegetais marinhos sejam incluídos em alimentos como manteiga de algas marinhas ou macarrão de kelp, alga com elevado teor nutricional e de minerais como sódio, potássio, magnésio e cálcio. Além disso, snacks elaborados com sementes de nenúfar (planta aquática), salgadinhos de pele de salmão enriquecida com ômega-3 e petiscos à base de kelp também prometem chegar aos consumidores neste ano.

5. Sobremesas que fogem do comum

Além de sabores clássicos como baunilha ou chocolate, a tendência é que sobremesas ganhem outras bases como avocado, hummus, tahini e água de coco. Sobremesas congeladas plant-based, sorvetes taiwaneses, o clássico “nieve de garrafa” – um tipo de raspadinha mexicana à base de água, açúcar e suco de frutas –  e sorvetes turcos mastigáveis cujas texturas são obtidas a partir do mastique (resina da árvore aroeira) também ganharão espaço nas prateleiras.

*Fonte: Caroline Guerreiro – nutricionista consultora da E4 Agência – CRN 56034