Atividade Física + SUS = Uma soma benéfica

18 de janeiro de 2018 ● POR Jean Coelho e Deisy Terumi

Os avanços tecnológicos associados ao aumento da violência urbana têm aumentado exponencialmente a adoção de comportamento sedentário pela população. Dessa forma, em pleno século XXI gritamos guerra ao sedentarismo e a cada ano que passa a ciência tenta emitir um brado mais concatenado, desenvolvendo estratégias de forma a tentar fazer com que a população abandone ou pelo menos diminua esse comportamento tão prejudicial à saúde.

Um caminho, dentre vários outros, é a implantação de intervenções com atividade física para a comunidade, a qual pode ser realizada em diversos contextos como praças públicas, praias, parques, centros comunitários (HALLAL et al., 2009; HALLAL et al., 2010) e também na Unidades Básicas de Saúde (UBS) (GOMES e DUARTE, 2008; NAKAMURA et al., 2010). Estas intervenções visam atender as propostas recomendadas pelo Ministério da Saúde em aumentar o nível de atividade física da população, além de apresentar resultados positivos em relação à percepção de saúde dos participantes (HALLAL et al., 2009).

Nesse contexto, podemos destacar o Programa de Exercícios Físicos em Unidades de Saúde (PEFUS), pioneiro em oferecer intervenções para promoção de atividade física e qualidade de vida da população nas Unidades Básicas de Saúde. O PEFUS é desenvolvido pelo Núcleo de Atividade Física, Esporte e Saúde – NAFES, UNESP de Rio Claro-SP com extensão ao IFSULDEMINAS-Muzambinho-MG, sendo coordenado pelos Profs. Drs. Eduardo Kokubun e Priscila Nakamura.

Com mais de 20 anos de atividade, o programa vem alterando sua realidade e promovendo um novo comportamento de vida, o saudável. Foi indicado como finalista no ano de 2015 para o prêmio Saúde da Revista Abril e recebeu o prêmio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no ano de 2016, organizado pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Desta forma, seguindo as recomendações da ONU, o programa em 2018 será conhecido como “Saúde Ativa” e tem como meta para esse ano o desenvolvimento de diretrizes para replicação do projeto em outros municípios. As diretrizes serão compostas por um documento escrito e disponibilizado na versão impressa e on-line, contendo fundamentação teórica, princípios gerais de intervenção, tipos de avaliação, possíveis parcerias, modelo lógico, divulgação e outros aspectos, sendo que as mesmas serão formuladas juntos com os parceiros atuais, duas cidades de São Paulo e duas de Minas Gerais.

Ademais, disseminamos o convite a todos os interessados: prefeituras, gestores, profissionais da área da saúde e a própria população, a qual pode e deve reivindicar por mais intervenções e promoção de saúde vinculadas às UBS e Estratégia de Saúde da Família (ESFs). Acreditamos que tanto o sistema quanto os cidadãos são beneficiados quando há a implementação de programas e projetos como o “Saúde Ativa”.

Programa Promoção de Atividades Físicas em Unidades Básicas de…

O Programa Promoção de Atividades Físicas em Unidades Básicas de Saúde, iniciativa do curso de Educação Física da Unesp (Universidade Estadual Paulista) de Rio Claro (SP) e do curso de Educação Física do IFSULDEMINAS – Campus Muzambinho, oferece sessões de atividades físicas regulares e gratuitas em Unidade Básica de Saúde. Os benefícios vão além da melhora do perfil lipídico, glicêmico e peso corporal: é notável a melhora nas variáveis sociais e psicológicas dos participantes, além do alto nível de engajamento dos profissionais de educação física e de saúde envolvidos. Atualmente, são cerca de 460 participantes em 18 unidades de saúde. A iniciativa – uma das três vencedoras do Prêmio Mais Movimento, realizado pelo PNUD e 2016 com o objetivo de conscientizar a sociedade sobre a importância da prática de atividade física – confirma que a atividade física faz bem para a mente e para o coração. Saiba mais: http://bit.ly/2n52Hof

Posted by Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD Brasil on Monday, June 19, 2017